quinta-feira, novembro 02, 2006

Na mesma sala (a internet em minha casa ainda não funciona!), olho para fora, as árvores desapareceram embrulhadas em noite. Posso, agora, imaginá-
-las com inteira liberdade, dar-lhes a s minhas cores, emprestar-lhes um pouco dos meus desejos... e pensar que tenho muito tempo à minha frente...

8 Comments:

At 11:26 da manhã, Blogger TsiWari said...

Já comecei a ler o Último Nocturno.

E não é que o moço lhe tomou o jeito?

Abraço

 
At 11:32 da tarde, Blogger cHOSSAS, o rõe said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

 
At 11:32 da tarde, Anonymous airesmontenegro said...

tsiwari: abraço apertado, sem medos.....

 
At 11:06 da tarde, Anonymous brütt said...

indiscreta e com uma lata do tamanho do mundo, "googlei" aires montenegro à procura de lançamentos de livros locais e datas... e eis que encontro esta pérola intima e próxima que é quase como acordar em gandra com os pés gelados e ter uma mesa enorme cheia de vida, com um bacalhau à espera, um violoncelo ao fundo, uma gata furtiva e uma família "emprestada" de quem tenho saudades e que tantas coisas me ensinaram... beijos ao aires, beijos à família toda!

 
At 3:11 da tarde, Blogger Aires Montenegro said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

 
At 3:11 da tarde, Blogger Aires Montenegro said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

 
At 3:13 da tarde, Blogger Aires Montenegro said...

brütt (R...)já te respondi por E-mail. A mesa é a mesma, cheia de vida (um pouco menos...), o bacalhau sempre à espera, tal como o violoncelo... a gata continua furtiva, mas agora o cHOSSAS salvou um gatinho que parece um cão, sempre atrás de nós,carente de afectos, tão grande terá sido o sofrimento do abandono e da fome... Mas encontrou a CASA. Mais um beijinho

 
At 10:21 da tarde, Blogger zef said...

O ter muito tempo à nossa frente é a vantagem de não sermos eternos...É que, parece, lá no eterno, é tudo agora...e, a maior parte das vezes, o mais logo é melhor: é sempre mais logo que as coisas apanham as cores que lhes queremos dar.

 

Enviar um comentário

<< Home